Você me encontra também no Facebook e no Twitter

31 de agosto de 2011

JÁ ERA!




É cada vez mais difícil defender essa democracia brasileira que sustenta um imenso esquema de corrupção.
Ontem, os colegas deputados inocentaram Jaqueline Roriz que, mesmo tendo sido flagrada recebendo em grande alegria uma bolada de dinheiro, foi livrada da cassação.

Nosso impulso é culpar os 265 deputados que votaram NÃO, mas não nos esqueçamos dos 20 que se ABSTIVERAM e os 62 que convenientemente se AUSENTARAM. Ou seja, só podemos contar como supostamente honestos, 166 parlamentares.

Seria fácil resolver essa equação se os números fossem esses, mas a matemática é cruel.

Os 347 (cerca de 70%) que se comoveram com as lágrimas de Jack - a Estripadora da decência - Roriz foram eleitos! Isso! Eles representam milhões e milhões de eleitores, que são os responsáveis pelo mandato deles. Cerca de 70%, ou alguma coisa em torno de 95 milhões.

E mais, a corrupção tem dois lados: o que recebe e que paga a propina. Junte-se então à conta, o capital das grandes empresas que financiam mandatos, interessadas no retorno que vão ter, em obras e outras vantagens.

Acrescente a pior de todas, a devastadora corrupção oficial e legal, a apropriação que o estado faz da renda de trabalhadores e setores produtivos, através da maior taxa de impostos do mundo. Enquanto escrevo esse texto, o "impostômetro" registra que os governos (federal, estadual e municipal) recolheram mais de 945 bilhões só este ano. E faltam ainda quatro meses.

E para concluir retire aqueles que praticam pequenos atos de corrupção e só não são grandes corruptos por falta de oportunidade.

O que restou?

Uma sensação horrorosa de que já era. De que vivemos numa sociedade onde o crime organizado é o sistema de governo e não a contravenção.

Semana que vem, Jaqueline Roriz e seus 347 comparsas estarão votando leis que decidirão sobre sua vida e a vida desse país.

Espere de Deus, se é que Ele existe.

27 de agosto de 2011

EU QUERO SANGUE




Acho que no próximo sábado vai rolar o tal UFC no octógono ou qualquer coisa parecida com isso.
É oportunidade de uma viagem no tempo, à Roma antiga, aos festivais do Coliseu, gladiadores e essa porra toda.

Como diria Joe Sacco “arte é arte, mas um bife é um bife” e por isso eu quero discutir alguns pontos.

Eu acho grotesco que exista uma atividade socialmente consentida e legalizada que se baseie na proposta de ferir um adversário. Pior ainda que alguém trate isso como esporte.

Concordo que haja um componente de agressividade na “natureza” humana que cuidou da nossa sobrevivência enquanto espécie, mas acho conveniente distinguir agressividade de violência. Violência é a agressividade no modo perverso, cruel, bárbaro.

Eu até entendo que essa gente possa se reunir numa arena e se esfolar de porrada, porque o direito de se matar é garantido.
O que não entendo é que num país onde a rinha de animais é proibida seja autorizada e estimulada a rinha de pessoas.

Um monte de gente - incluindo jornalistas, comediantes, artistas, veículos etc. - vai a público manifestar seu tesão por esse show de horrores.
Imagine que tipo de mensagem é passada a jovens em fase de formação de caráter quando assistem dois indivíduos se esmurrando até sangrar, realizando a fantasia sádica da plateia.

Pra completar, acho totalmente suspeita toda aquela macheza, dois caras de sunguinha super apertada, suados, se esfregando, se batendo e se ferindo. É como se estivessem dizendo: "O desejo pelo seu corpo é tão insuportável que preciso feri-lo". Não consigo ver isso sem notar uma imensa sublimação homossexual.

Eu imagino uma civilização que cada vez mais encontre recursos de inteligência para dirimir conflitos. Eu acho que é esse o caminho das artes, da ciência e dos esportes.

UFC não é esporte, nem arte. É porrada. É exaltação do nosso nível mais inferior de existência.




12 de agosto de 2011

CONTEMPORÂNEO

GEORGE CARLIN CONECTADO from Gueminho Bernardes on Vimeo.


Esse é George Carlin, um senhor de uns 70 anos. Uma metralhadora giratória.
Nesse vídeo ele se autodefine.

Um presente aos meus amigos comediantes.

10 de agosto de 2011

LOUIE X DANE COOK

Louie CK X Dane Cook from Gueminho Bernardes on Vimeo.


Em 2006, Dane Cook foi acusado de ter roubado piadas de Louie CK. No episódio 07 do seriado deste, eles tratam do assunto de uma maneira incrível.

Um presente aos meus amigos comediantes.

6 de agosto de 2011

5 de agosto de 2011

AMORAL DA HISTÓRIA É AMORIM



Que bom que agora temos um dos bonecos dos Muppets no Ministério da Defesa: Celso Amorim, que no tempo da Vila Sésamo tinha o apelido de Cookie Monster.

Celso Amorim na nossa Defesa!
Agora podemos dormir tranquilos.

Celso Amorim na Defesa é quem vai sair correndo e gritando na frente.

Se formos invadidos, podemos entregá-lo aos inimigos e pedir que, pelo favor, eles não batam muito na gente.

Celso Amorim na Defesa é igual a alguém mexer com você na rua e você chamar a sua irmãzinha de quatro anos pra te proteger.

Você se envolve numa briga de bar e o Celso Amorim é aquela coisa que você usa pra bater nos outros.

Celso Amorim na Defesa vai passar pro lado de lá na hora da briga pra não apanhar.

Celso Amorim na Defesa é como escalar o Zagalo como zagueiro da seleção brasileira num jogo contra Camarões.

Estamos protegidos.

2 de agosto de 2011

DNA DA CORRUPÇÃO


Eu desisto!

A operação que costurou o acordo para construir o Itaquerão (o estádio do Corinthians) foi a cereja do bolo de bosta das mutretas. Não há remédio.

Isso tudo me deixou muito indignado. Mas, o que mais me incomodou foi pensar que se o estádio fosse do Flamengo eu talvez não questionasse tanto. Digo "se", porque admito a possibilidade do meu percentual genético íntegro, honesto e ético, ter atitudes dominantes.

Mas aceito, enquanto brasileiro, tenho em mim o DNA da corrupção.

Somos um país de golpistas.

É claro que isso não inclui você que está lendo esse texto e se excluindo dessa espécie.

Você, que nunca ofereceu uma gorjeta pro guarda da blitz deixar você ir sem o IPVA pago; nunca furou fila, nem baixou uma música, filme ou programa sem autorização; nunca fumou um baseado, cheirou cocaína ou bebeu antes de dirigir; nunca fez fila dupla ou parou rapidinho numa vaga preferencial à qual não se inclui; nunca sonegou impostos ou avançou sinal vermelho; nunca mentiu pra faltar ao trabalho ou às aulas; nunca colou numa prova nem comprou ingressos de cambistas; nunca comprou uma facilidade junto a órgãos públicos e nunca justificou pequenos desvios como jeitinho.

Parabéns! Você é um modelo a seguir.

Nós, o resto, padecemos da pesada influência da nossa formação enquanto nação. Afinal - e isso não desculpa, mas explica - a história do Brasil é uma história de golpes.

Se não, vejamos:

Cabral "descobriu" um mundo que tinha uns quatro milhões de habitantes. Golpe!

Que foram considerados - e ainda o são - alguma coisa entre bicho e gente para que pudesse ser tomado o que era deles, sem culpa ou dolo. Golpe, golpe!

Roubaram, mataram e escravizaram até que um deles resolveu sonegar seus pares e se transformou no nosso grande herói, baseado no princípio ético do "ladrão que rouba ladrão". Golpe!

A Independência foi um acerto entre eles, assim como a Proclamação da República. Golpe, golpe!

Alguns golpes foram declaradamente golpes, entre eles o de 64. E acabou levando um golpe disso que chamamos de estado de direito, que nunca endireitou nada. Golpe!

E os golpistas fizeram um acordo entre si e redemocratizaram o país. Golpe!

Na verdade a nossa democracia é o regime dos espertos para os espertos. Uma estrutura legal (no sentido da Lei) criada e usada para gerar benefícios infindáveis ao pequeno clube de poder. Golpe, golpe, golpe!

E nós que não somos Vips, ficamos na plateia, vaiando ou aplaudindo. E eles, fazendo a cena, fingindo que se importam com o que a gente pensa.

Vivemos nus numa floresta de pintos.

BOATOS



Não sabia que essa versão do clássico de Marvin Gaye existia.
Graças a Itatiaia FM, agora sei e repasso aos amigos.